Quinta-feira, 7 de Julho de 2016

Miguel Esteves Cardoso - Viva o país dos galos!

Miguel Esteves CArdoso

Viva o país dos galos!

Os galeses foram valentes. Deram tudo. Mas não basta

 

Que Portugal só sabia empatar. Tome lá 2 golos em 3 minutos, um para abrir o apetite, outro para encher a barriga.

 

Que Cristiano Ronaldo não estava a marcar golos. Tome lá 1 de cabeça, se fizer favor e outro, para variar, pelo chão, para o Nani.

 

Disseram mal do Fernando Santos. Ele foi explicando como era e como iria ser. E assim foi.

 

Disseram mal da selecção, que estava a jogar mal. Ou que estava a jogar assim-assim mas não marcava golos e que não jogava para ganhar. Ora tome lá dois golinhos bem servidos aos minutos 50 e 53 para ficarem 40 minutos para o sofrimento de que não abdicamos.

 

Os galeses foram valentes. Deram tudo. Mas não basta. Bale à parte, não são excelentes futebolistas. Que me desculpem: é mesmo uma questão de talento.

 

Os galeses mostraram ter um grande espírito de equipa. Parabéns. Estiveram sempre muito unidos. Suponho que tenha sido bonito de se ver, caso fôssemos galeses. Mas, como não somos, não foi. O maior elogio que podemos fazer é dizer-vos que houve momentos em que nos meteram medo. Sobretudo antes do jogo começar.

 

Foi uma vitória da selecção portuguesa e do treinador português contra Portugal e os portugueses. Nós os portugueses pensávamos que Portugal ia ficar mal neste Euro 2016 mas queríamos que ficasse bem. Esperávamos o pior mas exigíamos o que nos parecia impossível. É um raio de uma atitude, diga-se já.

 

Já ouço o que nos amaldiçoam por ter perdido na final contra a França ou a Alemanha. Ó que porra: tenham calma.

 

Miguel Esteves Cardoso

Retirado do Público


publicado por olhar para o mundo às 09:13
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 12 de Maio de 2016

Miguel Esteves Cardoso - A Vida é uma Eternidade

Miguel Esteves CArdoso

A Vida é uma Eternidade

Sabemos que vamos morrer e que estaremos mortos tanto tempo como não estivemos à espera para nascer. É banal dizer-se que a vida é um intervalo ou uma passagem ou um instante. Não é. A vida é uma excepção generosamente comprida à regra nem triste nem alegre da inexistência.
A vida está para o nada como o planeta Terra está para o sistema solar a que pertence. Sim, pode haver vida noutros planetas. Mas será uma vida que vale a pena viver? Ou que apenas vale a pena estudar?

Sabemos que temos muito tempo de vida: muito mais do que precisamos. O direito à preguiça e à procrastinação está consagrado na nossa vida e faz logo, à partida, parte dela.
Sabemos que somos obrigados a pensar, errada e repetidamente, que o tempo em que estamos vivos é importante. E que as nossas noções de declínio ("dantes é que era bom; os jovens de hoje não sabem o que perdem") são lugares-comuns de todas as gerações antes de nós.

Sabemos que não há ninguém que não envelheça, desde o bebé que nasceu neste segundo até ao velho que, por ter morrido agora mesmo, deixou de envelhecer.
A vida é uma eternidade, por muito que seja bonito fingir o contrário. Chega e sobra para o que queremos fazer. A oportunidade de existir é-nos oferecida. O resto é merda ou ouro.

Sabemos que estamos cá para cá estar. E que não haverá segunda oportunidade. O luxo é saber que podemos enganar-nos. É saber que podemos perder tempo. O tempo é o luxo que a nossa vida não só desrespeita como desmerece.

Miguel Esteves , in 'Jornal Público' (17 Jan 2014), "O que sabemos"
 
Retirado de Citador

publicado por olhar para o mundo às 09:13
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 18 de Abril de 2016

Miguel Esteves Cardoso - Calem-se

Miguel Esteves CArdoso

 

Calem-se

 

Cada vez que alguém, prestes a dirigir-se à população, arranca com "portuguesas e portugueses" dou comigo a gritar um grito fininho que me dá cabo dos ouvidos.

Cerro os punhos e rosno quando são machos com aquela condescendência oiticentista de dizer "portugueses e portuguesas" com a entoação de quem se orgulha em mostrar que se é moderno ao ponto de não se esquecer das mulheres. Diz aquele sorriso meio-engatatão, meio-paternal: "Ah pois! Eu faço questão de incluir o mulherio!"

Vamos lá por partes. Somos todos portugueses. Todos nós, seja de que sexo ou de que sexualidade formos, somos portugueses. Somos o povo português ou a população ou a nação portuguesa.

Como somos todos portugueses quando alguém fala em "portugueses e portuguesas" está a falar duas vezes das mulheres portuguesas. As mulheres estão obviamente incluidas nos portugueses. Mas, ao falar singularmente das portuguesas, está-se propositadamente a excluir os homens, como se as mulheres fossem portugueses de primeiro (ou de segundo, tanto faz) grau.

Somos todos seres humanos. As mulheres não são seres humanas. Quando se fala na língua portuguesa não se está a pensar apenas na língua que falam as portuguesas. É a língua dos portugueses e doutros povos menos idiotas.

"Portuguesas e portugueses" não é apenas um erro e um pleonasmo: é uma estupidez, uma piroseira e uma redundância que fede a um machismo ignorante e desconfortavelmente satisfeitinho.

Somos todos portugueses e basta.

 

Miguel Esteves Cardoso

 

Retirado do Público


publicado por olhar para o mundo às 09:13
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 15 de Abril de 2016

Miguel Esteves Cardoso - Temos de Ser Mais Humanos

Miguel Esteves CArdoso

Temos de Ser Mais Humanos

Abram os olhos. Somos umas bestas. No mau sentido. Somos primitivos. Somos primários. Por nossa causa corre um oceano de sangue todos os dias. Não é auscultando todos os nossos instintos ou encorajando a nossa natureza biológica a manifestar-se que conseguiremos afastar-nos da crueza da nossa condição. É lendo Platão. E construindo pontes suspensas. É tendo insónias. É desenvolvendo paranóias, conceitos filosóficos, poemas, desequilíbrios neuroquímicos insanáveis, frisos de portas, birras de amor, grafismos, sistemas políticos, receitas de bacalhau, pormenores.

É engraçado como cada época se foi considerando «de charneira» ao longo da história. A pretensão de se ser definitivo, a arrogância de ser «o último», a vaidade de se ser futuro é, há milénios, a mesmíssima cantiga.
Temos de ser mais humanos. Reconhecer que somos as bestas que somos e arrependermo-nos disso. Temos de nos reduzir à nossa miserável insensibilidade, à pobreza dos nossos meios de entendimento e explicação, à brutalidade imperdoável dos nossos actos. O nosso pé foge-nos para o chinelo porque ainda não se acostumou a prender-se aos troncos das árvores, quanto mais habituar-se a usar sapato.

A única atitude verdadeiramente civilizada é a fraqueza, a curiosidade, o desespero, a experiência, o amor desinteressado, a ansiedade artística, a sensação de vazio, a fé em Deus, o sentimento de impotência, o sentir-mo-nos pequeninos, a confissão da ignorância, o susto da solidão, a esperança nos outros, o respeito pelo tempo e a bênção que é uma pessoa sentir-se perdida e poder andar às aranhas, à procura daquela ideia, daquela casa, daquela pessoa que já sabe de antemão que nunca há-de encontrar.
O progresso é uma parvoíce. Pelo menos enquanto continuarmos a ser os animais que somos.

Miguel Esteves Cardoso, in 'Explicações de Português'
 
Retirado de Ciatdor

publicado por olhar para o mundo às 09:13
link do post | comentar | favorito (1)
Sábado, 2 de Abril de 2016

Miguel Esteves Cardoso - Viva o velho e venha o novo

Miguel Esteves CArdoso

 

Primeiro perdemos. Depois empatámos. E agora ganhámos. Estávamos no bom caminho e vieram com o raio das regras arcaicas e corruptas da FIFA para impedir a continuação de Portugal no Mundial. Não há direito!

 

Tivemos o mesmo número de pontos do que os Estados Unidos mas, ao contrário dos EUA, que foram piorando com cada jogo, Portugal foi melhorando. Quem é que merecia mais passar aos oitavos-de-final? Parece-me que é injusto premiar quem foi piorando e mandar embora quem tanto melhorou.

 

Lá para o fim do jogo contra o Gana, Portugal tinha finalmente arranjado o balanço para fazer um belo Mundial. No fundo, o que nos lixou foi só um pequeno atraso na sincronização conjuntural, como diziam nos anos 70.

 

Foi só por causa daquela maldita cabazada da Alemanha que fomos imoralmente eliminados. À Alemanha pedia-se apenas que ganhasse por 3-0 aos EUA: coisa que poderia ter feito, se tivess jogado com metade do gás com que jogou contra Portugal.

 

A certa altura, quando o Gana e Portugal estavam empatados e já não havia tempo para Portugal marcar os golos todos de que precisava, eu já estava a torcer pelos valentes ganenses. Se tivessem ganho por 2-1 já os EUA não seriam apurados.

 

Estão de parabéns os jogadores da selecção portuguesa que deram tudo o que tinham, a começar pelo grande Cristiano Ronaldo, que nos levou ao Brasil.

 

Não só poderia ter sido muito pior - veja-se a Inglaterra - como até poderíamos ter sido apurados com um bocadinho mais de sorte. Mas pronto, está bem, ficamos assim, continuamos amigos, a malta depois combina qualquer coisa.

 

Passarei a torcer incondicionalmente pela selecção brasileira e espero que os jogadores e técnicos portugueses gozem um merecido descanso, seguindo o belo exemplo de Carles Puyol, fotografado, felicíssimo, numa praia espanhola a beber uma boa cerveja mexicana pelo gargalo.

 

O Velho Mundo que se lixe (mais a Alemanha também): venha o Novo que foi para isso que o descobrimos. Força, Brasil!

 

Miguel Esteves Cardoso

Retirado do Público


publicado por olhar para o mundo às 09:13
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 31 de Março de 2016

Amar alguém - Miguel Esteves Cardoso

Miguel Esteves Cardoso

 

Amar alguém

 

Amar é como o prazer de conseguir estar sozinho - mas melhor. Amar é o prazer de descobrir continuamente que há alguém com quem se quer passar o tempo todo, incluindo o tempo que se quer passar juntos e o tempo que se quer passar sozinho.

 

Amar é um casamento de solidões que, gozando o prazer da juntidão, mesmo assim não prescinde dos prazeres de duas solidões juntas, estejam momentaneamente separadas ou reunidas.

 

Amar alguém é uma coisa egoísta que só nos faz bem. Mas só se a pessoa amada nos contra-ama também. Ser amado alivia muito a loucura de amar e de ser obrigatoriamente infeliz por causa disso.

 

Amar e ser amado é a melhor sorte que se pode ter. Não são milagres que aconteçam por acaso. É preciso trabalhar com leviandade - por muito cheio de amor que o coração esteja - para que esses milagres, facílimos, comecem a habituar-se a acontecer regularmente.

 

Amar alguém é um alívio: é poder deixar de pensar que cada um de nós é marginalmente mais importante do que qualquer outra pessoa que nasceu nesta vida e neste planeta.

 

Amar alguém é um baluarte contra o mundo, um salvo-conduto, uma casa aonde não só se pode regressar como ficar fechado dentro dela, sem precisar de sair.

 

Amar alguém é a única, verdadeira distracção. Os que não amam - muitos porque têm medo de se entregarem - chamam obsessão ao amor sem saber que o amor é o grande apagador de insignificâncias e a única maneira de fazer coincidir a alma e a atenção em duas vidas.

 

Miguel Esteves Cardoso

Retirado do Público

 


publicado por olhar para o mundo às 09:13
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 15 de Março de 2016

Miguel Esteves Cardoso - Estaremos feitos. Não?

Miguel Esteves Cardoso

 

1-0: começa a merda. 2-0: A merda continua. 3-0: a merda adensa-se. 4-0: acaba a merda.

 

Mas quem é que não estava à espera desta merda? É normal Portugal perder com a Alemanha. É sempre a mesma merda. Qual é a novidade?

 

É por isso que vamos desanimar? Por ter acontecido o que já se esperava? Claro que não. O jogo com a Alemanha era uma merda que tínhamos sempre de despachar. Pronto, está despachada. Ainda bem. Estamos prontos. Não estamos feitos.

 

De resto, que bem se estreou a Península Ibérica neste Mundial. Reflectiu-se a longa experiência que Espanha e Portugal têm na América do Sul. Fomos amplamente recompensados por todos os jogadores que roubámos ao Brasil, à Argentina e a outros países sul-americanos.

 

Foram nove golos que levámos: a Espanha de um país mais pequeno e Portugal de um país bastante maior. Por outro lado, a Espanha marcou um golo e nós nem um marcámos. Em contrapartida, eles levaram 5 e nós só levámos 4. Mas ambos sofremos 4 golos de diferença. 8 no total. Nada mau, hein?

 

Estaremos feitos? Não.

 

Agora cabe-nos apoiar a selecção mais do que sempre. É o nosso apoio que será decisivo. É portuguesíssimo mas perigosíssimo pensar que está tudo perdido, que já não vale a pena. Nunca iríamos ganhar à Alemanha. Se tivéssemos ganho ficaríamos com um excesso mortífero de confiança. Assim levámos o banho de água fria de que precisávamos: quatro baldes foi a medida perfeita.

 

Quanto aos alemães, parabéns e obrigado pela lição.

 

Miguel Esteves Cardoso

 

retirado do Público


publicado por olhar para o mundo às 09:13
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 3 de Março de 2016

Miguel Esteves Cardoso - O Amor é um Exagerador

Miguel Esteves Cardoso

O Amor é um Exagerador

As coisas boas, como o amor e a sabedoria, não trazem a felicidade pela simples razão que as coisas boas têm, para ser boas, de ser «boas por si mesmas». Não podem ser boas por aquilo que trazem. Pelo contrário, têm um preço. O mais das vezes, o preço do amor e da sabedoria, ambos artigos finos, artigos de luxo, coisas boas, é a infelicidade. Quando se ama, ou quando se estuda muito, fica-se sujeito às vontades e às verdades mais alheias. Nada depende quase nada de nós. E sofre-se. Irritam as pessoas que esperam que o amor traga a felicidade. É como esperar que os morangos tragam as natas. O amor não é um meio para atingir um fim — não é através do amor que se chega à felicidade. O amor é um exagerador — exagera os êxtases e as agonias, torna tudo o que não lhe diz respeito (o mundo inteiro) numa coisa pequenina. Assim como a arte tem de ser pela arte e a ciência pela ciência (seria um horror ouvir alguém dizer «Eu quero ser pintor ou biólogo para ganhar muito dinheiro e ir a muitas festas e ter duas carrinhas Volvo com galgos do Afeganistão lá dentro»), o amor tem de ser só pelo amor. Custe o que custar. Ora, o amor é uma coisa rara.

Para se ser feliz, é preciso ser-se um pouco cegueta. Entre as coisas que as pessoas miseráveis, normais, estão sempre a chamar às pessoas felizes, há: ingénua, lírica, naif, boazinha. Aquela de que gosto mais é «Vives noutro mundo!». Haverá coisa melhor que viver noutro mundo, para quem conheça minimamente este? Não acreditar que alguém nos queira fazer mal é um sinal seguro de felicidade. Quem é mesmo feliz é a pessoa que pensa «No fundo, até os meus inimigos gostam um bocadinho de mim...». É por isso que as pessoas felizes são sempre bastante convencidas.

Miguel Esteves Cardoso, in 'Os Meus Problemas'
 
Retirado de Citador

publicado por olhar para o mundo às 09:13
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 26 de Fevereiro de 2016

Miguel Esteves Cardoso - Raios os partam!

Miguel Esteves Cardoso

 

Raios os partam!

 

Quero matar os comentadores da SIC, esses grandes sábios e futebolistas que disseram de todos os jogadores do Benfica que "tinham a obrigação" de jogar assado em vez de assim.

 

Perto do fim da primeira parte - durante a qual o Benfica conseguiu alcançar um benéfico empate a zero golos - os palreiros da SIC juraram mastigadamente que nunca tinham visto um Benfica tão reles.

 

O fim da primeira parte pertenceu ao Benfica mas eles fizeram questão de comentar que quem tivesse chegado naquele momento a casa, com o rádio avariado (isto porque os relatos radiofónicos são sempre superiores aos televisivos), ficaria com uma impressão errada do Benfica estar a jogar bem.

 

Os comentadores vão sempre atrás dos últimos dois minutos de jogo. Se o Benfica joga bem até nem se importam de passar por benfiquistas. Mas odefault é sempre indolentemente palerma: "está a errar muito o Benfica" dizem, quando faltavam 15 minutos para o desejado zero-a-zero.

 

A verdade é que o Benfica foi a Turim para empatar a zero. Essas eram a verdade e a vontade benfiquistas. Assim bastaria ganhar no prolongamento.

 

Nos últimos dez minutos o Benfica mostrou sobreviver, magnificamente, à mesma prosaica presença dos sevilhanos.

 

O zero-a-zero poupou a vida dos comentadores da SIC: que parvos!

 

Não há maior tristeza do que uma alegria negada até ao último momento. Ora mal. Fica: raios os partam, mais o Sevilha! 

 

Miguel Esteves Cardoso

Público  15.05.2014


publicado por olhar para o mundo às 09:13
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 16 de Fevereiro de 2016

Miguel Esteves Cardoso - Os Dias Zangados São Dias de Amor

Miguel Esteves Cardoso

 

Os Dias Zangados São Dias de Amor

 

Raios partam os dias zangados. Nada há que se possa fazer para fugir deles. Esperam por nós, como credores ajudados por juros injustificáveis, para nos cortarem a fatia do nosso coração que lhes cabe. 


Não são como os dias tristes, que não conseguem habituar-se a uma realidade qualquer, que se revelou, sem querer, desiludindo-nos de uma ilusão que nós próprios inventámos, para mais facilmente podermos acreditar, falsamente, nela. Mas assemelham-se para mais bem nos poderem magoar. Depois. Quase ao mesmo tempo. Bem. 


Quem não tem um dia zangado, em que ninguém ou nada corresponde ao que esperávamos? A felicidade é a excepção e o engano. Resulta mais de um esquecimento do que de uma lembrança. 


Pouco há de certo neste mundo. São muitos os pobres, mas não são poucos os ricos. As pessoas do sexo masculino não se entendem nem com as pessoas do sexo masculino, nem com as do sexo feminino. As pessoas, sejam de que sexo e sexualidade forem, compreendem-se mal. Dão-se mal, por muito bem que se dêem. As mais apaixonadas umas pelas outras são as que menos bem aceitam as diferenças, as incompreensões, os dias zangados e as noites zangadas que apenas servem para nos relembrar que todos nós nascemos e morremos sozinhos. E que viver é um enorme entretanto, de que devemos tirar partido, sobretudo quando há a sorte de amar e ser amado ou amada. 


Os dias zangados são dias de amor. Ninguém se zanga por desamor. O amor sobrevive e continua, como vingança. 

Miguel Esteves Cardoso, in 'Jornal Público (23 Dez 2011)'


publicado por olhar para o mundo às 09:13
link do post | comentar | favorito (1)
Sexta-feira, 12 de Fevereiro de 2016

Miguel Esteves Cardoso - Aprender de Cor quem Amamos

 

Aprender de Cor quem Amamos

Comportamo-nos como se as pessoas de quem gostamos fossem durar para sempre. Em vida não fazemos nunca o esforço consciente de olhar para elas como quem se prepara para lembrá-las. Quando elas desaparecem, não temos delas a memória que nos chegue. Para as lembrar, que é como quem diz, prolongá-las. A memória é o sopro com que os mortos vivem através de nós. Devemos cuidar dela como da vida.

Devemos tentar aprender de cor quem amamos. Tentar fixar. Armazená-las para o dia em que nos fizerem falta. São pobres as maneiras que temos para o fazer, é tão fraca a memória, que todo o esforço é pouco. Guardá-las é tão difícil. Eu tenho um pequeno truque. Quando estou com quem amo, quando tenho a sorte de estar à frente de quem adivinho a saudade de nunca mais a ver, faço de conta que ela morreu, mas voltou mais um único dia, para me dar uma última oportunidade de a rever, olhar de cima a baixo, fazer as perguntas que faltou fazer, reparar em tudo o que não vi; uma última oportunidade de a resguardar e de a reter. Funciona.

Miguel Esteves Cardoso, in 'As Minhas Aventuras na República Portuguesa'
 
Retirado de Citador

publicado por olhar para o mundo às 09:13
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 10 de Fevereiro de 2016

Miguel Esteves Cardoso - O Primeiro Amor Leva Tudo

Miguel Esteves Cardoso

 

O Primeiro Amor Leva Tudo

 

É fácil saber se um amor é o primeiro amor ou não. Se admite que possa ser o primeiro, é porque não é, o primeiro amor só pode parecer o último amor. É o único amor, o máximo amor, o irrepetível e incrível e antes morrer que ter outro amor. Não há outro amor. O primeiro amor ocupa o amor todo. 


Nunca se percebe bem por que razão começa. Mas começa. E acaba sempre mal «só porque acaba». Todos os dias parece estar mesmo a começar porque as coisas vão bem, e o coração anda alto. E todos os dias parece que vai acabar porque as coisas vão mal e o coração anda em baixo. 


O primeiro amor dá demasiadas alegrias, mais do que a alma foi concebida para suportar. É por isso que a alegria dói — porque parece que vai acabar de repente. E o primero amor dói sempre de mais, sempre muito mais do que aguenta e encaixa o peito humano, porque a todo o momento se sente que acabou de acabar de repente. O primeiro amor não deixa de parte «um único bocadinho de nós». Nenhuma inteligência ou atenção se consegue guardar para observá-lo. Fica tudo ocupado. O primeiro amor ocupa tudo. E inobservável. E difícil sequer reflectir sobre ele. O primeiro amor leva tudo e não deixa nada. 


Diz-se que não há amor como o primeiro e é verdade. Há amores maiores, amores melhores, amores mais bem pensados e apaixonadamente vividos. Há amores mais duradouros. Quase todos. Mas não há amor como o primeiro. É o único que estraga o coração e que o deixa estragado. 

Miguel Esteves Cardoso, in 'Os Meus Problemas'


publicado por olhar para o mundo às 09:13
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 1 de Fevereiro de 2016

Miguel Esteves Cardoso - O Segredo da Boa Disposição

Miguel Esteves Cardoso

 

O Segredo da Boa Disposição

 

Deixaram-nos aqui. É mesmo assim. É a vida. Tem graça, não tem? A vida tem graça. Nós temos graça. É engraçado estarmos todos aqui. A incerteza geral da existência, aliada à certeza particular do facto de termos nascido e de irmos um dia esticar o pernil, é de morrer a rir. Entre outras coisas. Já que nos puseram aqui, indispostos, mal distribuídos, condenados à confusão e à companhia dos outros, o mínimo que podemos fazer é pormo-nos o mais bem dispostos que pudermos. 
O segredo da minha boa disposição é pensar o mais possível nos outros – nos outros que amo e que me têm de aturar, nos outros de quem só conheço o sofrimento e me fazem sentir a sorte que tenho em sofrer tão poucochinho – e o menos possível em mim. Quanto mais eu me desprezo e desconheço, quanto mais eu entristeço de me entender, mais preciso que haja quem goste de mim. Ou pelo menos da minha companhia. Sempre bem disposta, claro! 

Miguel Esteves Cardoso, in 'Último Volume'


publicado por olhar para o mundo às 09:13
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 25 de Janeiro de 2016

Miguel Esteves Cardoso - Os amigos nunca são para as ocasiões.

Miguel Esteves Cardoso

 

Os amigos nunca são para as ocasiões. São para sempre. A ideia utilitária da amizade, como entreajuda, pronto-socorro mútuo, troca de favores, depósito de confiança, sociedade de desabafos, mete nojo. A amizade é puro prazer. Não se pode contaminar com favores e ajudas, leia-se dívidas. Pede-se, dá-se, recebe-se, esquece-se e não se fala mais nisso. 

A decadência da amizade entre nós deve-se à instrumentalização que tem vindo a sofrer. Transformou-se numa espécie de maçonaria, uma central de cunhas, palavrinhas, cumplicidades e compadrios. É por isso que as amizades se fazem e desfazem como se fossem laços políticos ou comerciais. Se alguém «falta» ou «não corresponde», se não cumpre as obrigações contratuais, é logo condenado como «mau» amigo e sumariamente proscrito. Está tudo doido. Só uma miséria destas obriga a dizer o óbvio: os amigos são as pessoas de que nós gostamos e com quem estamos de vez em quando. Podemos nem sequer darmo-nos muito, ou bem, com elas. Ou gostar mais delas do que elas de nós. Não interessa. A amizade é um gosto egoísta, ou inevitabilidade, o caminho de um coração em roda-livre. 

Os amigos têm de ser inúteis. Isto é, bastarem só por existir e, maravilhosamente, sobrarem-nos na alma só por quem e como são. O porquê, o onde e o quando não interessam. A amizade não tem ponto de partida, nem percurso, nem objectivo. É impossível lembrarmo-nos de como é que nos tornámos amigos de alguém ou pensarmos no futuro que vamos ter. 
A glória da amizade é ser apenas presente. É por isso que dura para sempre; porque não contém expectativas nem planos nem ansiedade. 

Miguel Esteves Cardoso, in 'Explicações de Português'


publicado por olhar para o mundo às 09:13
link do post | comentar | favorito
Sábado, 23 de Janeiro de 2016

Miguel Esteves Cardoso - O Machismo Português e as Traições Amorosas

Miguel Esteves  Cardoso

 

O Machismo Português e as Traições Amorosas

 

Na gíria portuguesa, os palitos são a versão económica, e mais moderna, dos cornos. Os cornos, à semelhança do que aconteceu com os automóveis e os computadores, tornaram-se demasiado volumosos e pesados para as exigências do homem de hoje. Daí a crescente popularidade dos mais portáteis e menos onerosos palitos. Contudo, visto que se vive presentemente um período de transição, em que os novos palitos ainda se vêem lado a lado com os tradicionais cornos, continuam a existir algumas sobreposições. Uma delas, herdada do antigamente, deve-se ao facto dos palitos não se saldarem numa diminuição proporcional de sofrimento. Ou seja, não dão uma mera dor de palito — dão à mesma, incontrovertivelmente,dor de corno. Não é mais carinhoso, por isso, pôr os «palitos» a alguém — continua a ser exactamente o mesmo que pôr os outros. 

Tudo isto vem a propósito da forma atípica, entre os povos latinos, que assume o machismo português. Não se trata do machismo triunfalmente dominador, género «Aqui quem manda sou eu!», do brutamontes que não dá satisfações à mulher. Não — o machismo português, imortalizado pelo fado «Não venhas tarde», é um machismo apologético, todo «desculpa lá ó Mafalda», que alcança os seus objectivos de uma maneira mais eficaz. É, de facto, o machismo que, não só dá satisfações, comovive delas. 

O machismo português é o machismo, não da força masculina, mas da fraqueza. Não consiste no homem armar-se em agressor, mas em vítima. O logro é este: o homem apresenta-se sempre à mulher como vítima da natureza «de homem», dele. Ser homem, para o machista português, é ser essencialmente fraco. É um não-ser-capaz de resistir às tentações; um envergonhado «já sabes como é, filha» que serve para legitimar todos os privilégios de que goza (aos quais chama «deslizes»). À mulher não se admitem estes abusos — os copos, as entradas às tantas da manhã, os romances — porque o homem português considera a mulher um ser superior. Como é superior — mais forte, mais séria, mais responsável, mais ajuizada — não tem, muito simplesmente, direito a nada. 

O homem trata-a como se trata um deus. Julga que ela sabe tudoe, mesmo quando ele lhe mente, sabe que ela não se convence. Pensa também que ele pode tudo e é daqui que vem o medo enorme que lhe tem. E, tal como se faz com um deus, ele peca e pede perdão, mas sem perdoar em troca — porque um deus, por definição, não pode pecar. Se acaso uma mulher não corresponde a este comportamento divino, é logo considerada uma desgraçada, uma meretriz, uma sem-vergonha. Em suma: no fundo, uma criatura tão baixa e desprezível como um homem. 

Logo, é a inferioridade do homem — infinitamente confessada, declarada e propagandeada — que lhe impõe o direito de pecar e ser perdoado, e a superioridade da mulher que lhe confere a obrigação de perdoar. O homem, no machismo português, é pouco mais que uma pilha imponente e irresistível de vulnerabilidades. As outras mulheres atraem-no sempre contra vontade, e ele, coitado, não se consegue defender e vai-se instantaneamente abaixo. Como cantava o Carlos Ramos «Tu sabes bem que eu vou para outra mulher, que eu só faço o que ela quer...». A mulher, cheia de uma compreensão indistinguível da santidade, vê-o da janela, coração a sofrer de amor e de piedade, e apenas lhe pede («com carinho») que não venha tarde, «sabendo que ele vem sempre mais tarde». É este o machismo estritamente português, a meio-caminho entre o «Desculpem qualquer coisinha» e o «Era uma vez um rapaz». Nunca diz, à castelhana, «Quero e posso!»; nem disfarça, à italiana, dizendo «Posso mas não quero». Não. Diz, muito à portuguesa «Não quero, mas o que é que tu queres?, é o que posso...». O homem português nunca tem culpa. Arrepende-se sempre, mas não tem culpa porque não consegue deixar de fazer (por muito que não tente) as coisas que lhe apetece imenso fazer. A mulher, em contrapartida, tem quase sempre culpa. Tem, por exemplo, a culpa de atrair o homem, não porque o queira atrair (o querer ou não é irrelevante), mas, simplesmente, porque é mulher, e ele é homem, e não há absolutamente nada a fazer... 

O machismo português não é afirmativo e orgulhoso frente à mulher. É um machismo conjuntivo — «Eu bem gostaria de ser fiel, mas...», ou «Eu bem gostaria de passar mais tempo em casa, mas...», ou ainda «Eu bem gostaria de não ser como sou, mas...». É esse «mas» que torna o machismo português diferente — não é tanto de macho como de «mas», não é tanto um autêntico machismo como um masismo. Ele não é senhor do seu destino, como ela é do dela (e do dele). As coisas acontecem-lhe, ele bem tentou; foi uma coisa que lhe deu, ele nem sequer deu por ela, e, pronto, «o que é que tu queres, filha?»,aconteceu... 

A relação entre o homem português e a mulher é vista (pelo homem), como a relação que tem cada um com a sua consciência. E, ao passo que cada um pode andar na boa vai-ela (e depois penitenciar-se), o mesmo não se imagina (nem consente!) à consciência. E, o mais engraçado de tudo, é que a mulher que «sabe tudo», até isto sabe. Ou seja: sabe perfeitamente que esta do «Tu sabes bem...» é pouco mais que uma excelente treta que os homens propagam para poderem pensar que se divertem mais do que as mulheres. O que torna a mulher portuguesa ainda mais superior. Claro. 

Tudo isto para regressar, sem dor, à questão dos palitos. A tese central, criação única do machismo português, é esta: É muito fácil pôr os palitos a um homem (basta a mulher olhar para outro), mas é quase impossível pôr os palitos a uma mulher(porque nunca se consegue enganar a consciência). Um homem pode ser, por dá-cá-aquela-palha, um «corno manso», o que é muito pior que ser um corno selvagem ou só semicivilizado. Mas não existe, na língua, correspondência para o sexo feminino. Os palitos são uma coisa terrível que as mulheres podem pôr aos homens mesmo sem chegar a pô-los; mas que os homens nunca podem pôr às mulheres, por muito que lhos ponham. Nesta vantajosa lógica, bastante mais complexa e respeitosa do que aquela que anima outros machismos menos atlânticos, se encontra a alegria e a tristeza do autêntico macho português — aquele que vem sempre mais tarde, mas cada vez mais cabisbaixo. 

Miguel Esteves Cardoso, in 'A Causa das Coisas'


publicado por olhar para o mundo às 09:13
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 21 de Janeiro de 2016

Miguel Esteves Cardoso - Prazer ou Dever

Prazer ou Dever

Vivemos na idade do dever, do parecer e do querer ser. São verbos que não incluem o melhor e mais importante verbo de todos, tão desconsiderado que pensamos nele como um simples substantivo: prazer. O politicamente correcto (um advérbio sempre a espera de definições defensáveis, seguido por um adjectivo insuportavelmente puritano e volúvel) torna-se no contrário do prazer: num castigo.

Dizer «apraz-me» parece um tique do século XIX mas é, na verdade semântica e gramatical, a indicação rigorosa que há qualquer pessoa ou coisa ou noção que nos dá a melhor de todas as coisas: o prazer.

Hoje as pessoas descrevem o amor e a amizade como bons sentimentos que conduzem a esforços e sacrifícios que, não havendo amor ou amizade, não seriam feitos.

«Isso é que é amor!» e «isso é que é amizade!», proclamam compadres e comadres quando encontram exemplos deprimentes e dolorosos de lealdades amorosas e amigáveis que foram castigadas até ao último limite da humanidade.

O prazer não é a mesma coisa que o egoísmo - mas parece-se, felizmente, com ele. As duas únicas diferenças vêm do facto de haver duas pessoas diferentes. A sorte de quererem, egoisticamente, a mesma coisa um do outro é o prémio de se ser descabido e aventureiro.

A verdade é que amamos quem amamos e somos amigos de quem somos porque nos dão prazer; porque nos aprazem. O mérito é como a justiça e a moralidade: é um ponto de vista de quem consegue convencer-se, erradamente, que tem razão.

Miguel Esteves Cardoso, in 'Jornal Público (7 Nov 2015)'

publicado por olhar para o mundo às 09:13
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 14 de Janeiro de 2016

Miguel Esteves Cardoso - Amar até Sempre

Miguel Esteves Cardoso

 

Amar até Sempre

 

A Maria João e eu vivemos juntos, todos os dias, a não ser os poucos (mais do que quarenta) em que os hospitais nos desinstalaram, desde o primeiro dia de Janeiro do ano 2000.

 
Mas, mesmo que conte só a data do casamento - no dia 30 deste mês, uma sexta-feira, alcançaremos 11 anos de casamento - acho que prescindimos alegremente de qualquer crise. O meu amor por ela é cada vez maior. O amor dela por mim, de tanto ser amada, começa a ser uma possibilidade. Foram só menos de quatro mil dias - uma pequena parte das nossas vidas - mas foram quatro mil dias de amor, felicidade ou medo de não ser amado, mais a sorte de ter sido. Uma eternidade. 


Assim aconselho os amantes e os apaixonados: a primeira coisa a reter, sejam quais forem as primeiras e segundas reacções das pessoas amadas, é que se está a espalhar e visitar uma sorte amorosa sobre elas. Não é uma questão de amor. É uma questão de tempo. Esperar e não reparar é fundamental. Para quem ama, amanhã, por muito improvável que seja, é melhor do que ontem. Mas hoje pode ser, quando se tem sorte, o dia perfeito. 

Miguel Esteves Cardoso, in 'Jornal Público (9 Set 2011)'


publicado por olhar para o mundo às 09:13
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 13 de Janeiro de 2016

Miguel Esteves Cardoso - Parabéns, Amada Minha

 

Parabéns, Amada Minha

Hoje é a Maria João, meu amor que me deu a sorte de gostar de ser amada por mim - e a ilusão, mais frequente do que a felicidade, de amar-me também - que faz anos, coincidindo com o dia em que nasceu, sempre o primeiro verdadeiro dia de Verão.

Parabéns, Maria João, Amada minha, rainha das minhas maiúsculas e das paciências do PÚBLICO; princesa de todos os pequenos momentos que se juntam para fazer a minha felicidade permanentemente instantânea e ameaçada.

Pensava que ias morrer e matar-me. Não só não morreste como me deixaste viver. O teu amor é a Primavera constante do meu coração mas a tua vida e o teu viver, como se não houvesse nada que te pudesse atrapalhar - tão longe da sobrevivência que inexplicavelmente é - é o ano inteiro, desde que nasci, desde a primeira vez que respirei o ar do mundo. E vivi. Facilmente. À tua espera. À espera da tua dificuldade. E do teu génio. E do teu espírito. E de tudo o que tens, sem saber, sem mostrar, sem fazer ideia do que vales, achando apenas que vales muito mais do que mereces. Merecendo, como tu mereces, tudo. Ó amada que eu amo, minha única sorte.

Miguel Esteves Cardoso, in 'Jornal Público (27 Jun 2014)'
 
Retirado de Citador

publicado por olhar para o mundo às 09:13
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 9 de Dezembro de 2015

Miguel Esteves Cardoso - A Alma Gémea

Miguel Esteves Cardoso

 

A Alma Gémea

 

Nenhum sonho custa tanto a abandonar como o sonho de ter uma alma gémea, nem que seja noutro canto do mundo, uma alma tão perto da nossa como a vida. O que é a alma? É o que resta depois de tudo o que fizemos e dissemos. Podemos traí-la e contrariá-la, mesmo sem saber, porque nunca podemos conhecê-la. Só através duma alma gémea. Fácil dizer. Agora como é que consigo falar? 


As almas gémeas quase nunca se encontram, mas, quando se encontram, abraçam-se. Naqueles momentos em que alguém diz uma coisa, que nunca ouvimos, mas que reconhecemos não sei de onde. E em que mergulhamos sem querer, como se estivéssemos a visitar uma verdade que desconfiávamos existir, de onde desconfiamos ter vindo, mas aonde nunca tínhamos conseguido voltar. 

O coração sente-se. A alma pressente-se. O coração anda aos saltos dentro do peito, a soluçar como um doido, tão óbvio que chega a chatear. Mas a alma é uma rocha branca onde estão riscados os sinais indecifráveis da nossa existência. Não muda, não se mostra, não se dá a conhecer. O coração ama. Mas é na alma que o amor mora. Todos os amores. Toda a vida. 


A alma deixa o coração à solta, como tonto que ele é, e despreocupa-se e desprende-se do corpo, porque tem mais que fazer. E o que faz a alma? Mandar escondidamente na parte da nossa vida que não tem expressão material ou física. Está mal dito, mas está certo, porque estas coisas não se podem sequer dizer. 

O quem e o quê não lhe interessam. A alma não deseja, não tem saudades, não sofre nem se ri; a alma decide o que o coração e a razão podem decidir. A alma não é uma essência ou um espírito; é a fonte, o repositório, a configuração interior. Expressões horríveis, onde as palavras escorregam para se encontrarem. Só resta repetir. A alma é de tal maneira que é aquilo, exactamente, de que não se pode falar. 


A não ser que se encontre uma alma gémea. Gémea não é igual. É parecida. Não é um espelho. É uma janela. Não é um reflexo. É uma refracção. 

(...) O desejo de encontrar uma alma gémea não é o desejo de reafirmarmos a unicidade da nossa existência através de outro que é igual a nós. É precisamente o contrário. É poder descansar dessa demanda. No fundo, todos nós duvidamos que tenhamos uma alma. Senão não falávamos tanto dela. Os melhores ainda são aqueles que a deixam a Deus. 


Uma alma gémea é a prova que não estamos sozinhos. Ou seja: é a prova de que a alma existe. Não faz nem diz o mesmo que fazemos e dizemos — mas tem uma forma de fazer e dizer tão parecida com a nossa, que deixa de interessar o que é dito e feito. Uma alma gémea faz curto-circuito com os fusíveis corpo/coração/razão. Não é o «quê» — é o «porquê». O estado normal de duas almas gémeas é o silêncio. Não é o «não ser preciso falar» - é outra forma de falar, que consiste numa alma descansar na outra. Não é a paz dos amantes nem a cumplicidade muda dos amigos. Não precisa de amor nem de amizade para se entender. As almas acharam-se. Não têm passado. Não se esforçaram. Estão. É essa a maior paz do mundo. Como é que um ninho pode ser ninho doutro ninho? Duas almas gémeas podem ser. 

Como é que se reconhece a alma gémea? No abraço. O coração pára de bater. A existência é interrompida. No abraço do irmão, do amigo, da amante, há sensação, do corpo, do tempo, do coração. Há sempre a noção dum gesto posterior. No abraço de duas almas gémeas, mesmo quando se amam, o abraço parece o fim. Uma pessoa sente-se, ao mesmo tempo, protegida e protectora. E a paz é inteira - nenhum outro gesto, nenhuma outra palavra, é precisa para a completar. Pode passar a vida toda. Não importa. 

Quando duas almas gémeas se abraçam, sente-se o alívio imenso de não ter de viver. Não há necessidade, nem desejo, nem pensamento. A sensação é de sermos uma alma no ar que reencontrou a sua casa, que voltou finalmente ao seu lugar, como se o outro corpo fosse o nosso que perdêramos desde a nascença. 

Miguel Esteves Cardoso, in 'Explicações de Poruguês'


publicado por olhar para o mundo às 09:13
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 7 de Dezembro de 2015

Miguel Esteves Cardoso - Reagir à Saudade e à Tristeza

Reagir à Saudade e à Tristeza

 

A maneira de reagir à saudade e à tristeza é ter um coração bom e uma cabeça viva. A saudade e a tristeza não são doenças, ou lapsos, ou intervalos, como se diz nos países do Norte. São verdades, condições, coisas do dia a dia, parecidas com apertar os atacadores dos sapatos. É banalizando-as que as acompanhamos. Um sofrimento não anula outro. Mas acompanha-o. Para isto é preciso inteligência e bondade. 


Aquilo que resta são as pequenas alegrias. No contexto de tamanha tristeza e tanta verdade tornam-se grandes, por serem as únicas que há. Não falo nas alegrias que passam, como passam quase todas as paixões. 


Falo das alegrias que se tornam rotinas, com que se conta: comprar revistas, jantar ao balcão, dormir junto do mar, dizer disparates, beber de mais, rir. Coisas assim. São essas coisas — entre as quais o amor — que não se podem deitar fora sem, pelo menos, morrer primeiro. 

Miguel Esteves Cardoso, in 'As Minhas Aventuras na República Portuguesa'


publicado por olhar para o mundo às 09:13
link do post | comentar | favorito

Direitos de Autor


Todas as imagens que estão no blog foram retiradas do Facebook, muitas delas não tem referência ao autor ou à sua origem, se porventura acha que tem direitos sobre alguma e o conseguir provar, por favor avise-me que será retirada de imediato.

.mais sobre mim

.pesquisar

 




Direitos de Autor


Todas as imagens que estão no blog foram retiradas do Facebook, muitas delas não tem referência ao autor ou à sua origem, se porventura acha que tem direitos sobre alguma e o conseguir provar, por favor avise-me que será retirada de imediato

.posts recentes

. Frases de Miguel Esteves ...

. Miguel Esteves Cardoso - ...

. Miguel Esteves Cardoso - ...

. No Amor Começa-se Sempre ...

. Miguel Esteves Cardoso - ...

. Frases de Miguel Esteves ...

. Portugal: o melhor país d...

. Miguel Esteves Cardoso - ...

. Miguel Esteves Cardoso - ...

. Miguel Esteves Cardoso - ...

.mais comentados

.últ. comentários

se pode encontrar referencias como Carlos Malato o...
Que amor e gratidão tão sentidos.Um privilégio ler...
.....nevegar?
Estou cansado de ver esta frase no Facebook atribu...
Maomé matou numa semana uma tribo inteira de judeu...
Lamento mas o texto não é de Santo Agostinhohttp:/...
Ola Jorge,Muito grata por sua pronta resposta e po...
OláJá corrigi o post e atribuí o nome correcto na ...
Olá, quero deixar registrado aqui que esta frase d...
Um grande politico.Uma grande perda para Portugal.

.arquivos

. Outubro 2018

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

.tags

. imagem

. facebook

. frases

. pensamentos

. vídeo

. música

. lyrics

. letra

. vida

. textos

. amor

. humor

. anedota

. piada

. pessoas

. mulher

. imagens do facebook

. cartoon

. felicidade

. amar

. coração

. homem

. miguel esteves cardoso

. viver

. tempo

. mia couto

. mulheres

. imagens

. poesia

. mundo

. ser feliz

. crianças

. política

. fernando pessoa

. educação

. filhos

. poema

. sonhos

. aprender

. criança

. mãe

. animais

. palavras

. pensar

. liberdade

. medo

. natal

. respeito

. silêncio

. caminho

. amigos

. pensamento

. paz

. portugal

. dinheiro

. ser

. alma

. clarice lispector

. dor

. sorrir

. josé saramago

. mafalda

. mudar

. passado

. coragem

. recados

. amizade

. desistir

. escolhas

. beleza

. morte

. ricardo araújo pereira

. falar

. fazer

. feliz

. homens

. país

. pais

. coisas

. cultura

. povo

. religião

. sabedoria

. sentimentos

. verdade

. educar

. livros

. sorriso

. chuva

. ensinar

. problemas

. saudade

. acreditar

. olhar

. osho

. pessoa

. sentir

. abraço

. adopção

. chorar

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds