Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pontos de Vista

Porque tudo na vida tem um ponto de vista

Pontos de Vista

Porque tudo na vida tem um ponto de vista

14
Jun15

Raquel Freire - Vida Queima

olhar para o mundo

A vida Queima

 

CARTA DA REALIZADORA

 

“É provável que coisas improváveis aconteçam”     

                                       Aristóteles. 

1ª parte

 

Eu sou uma realizadora de cinema portuguesa, sou uma filha da revolução dos cravos e da democracia.  A crise política e económica que atravessamos fez com que o meu país ficasse refém de políticas de austeridade para as quais a cultura é um luxo. No meu país, com intervenção da troika (FMI, bce, UE) acabaram com o Ministério da Cultura e o ICA (Instituto de Cinema e Audiovisual) paralisou com       os cortes orçamentais.Se um povo deixa de criar as suas imagens, a sua cultura e sua arte deixam de se ver, desaparecem do conjunto das imagens globais.

 

E se deixam de existir estão condenadas à morte. E o que é um povo sem cultura e sem arte, um povo sem identidade? Um povo escravo. “Nenhuma arte dá tanto a medida da cultura e da liberdade como o cinema” (Walter Silveira).

 

No meio da crise e da depressão que tomou conta do meu país e da Europa eu senti que tinha que agir. Mas vi-me na impossibilidade de trabalhar.

 

Para mim, não filmar não é uma opção. Ser realizadora é uma necessidade vital, mas também política, social e, principalmente, existencial. Filmo, logo existo. Podem-nos tirar tudo: a liberdade, a vida, o conforto, tudo menos o sonho, o ponto de vista, o olhar próprio, o impulso que nos faz sair de nós e criar - o meu impulso é filmar.

 

2ª parte

 

Para FILMAR tive que optar por técnicas radicais de sobrevivência. 

 

Tentei obter financiamento para filmar. Não encontrei quaisquer apoios. Confrontei-me diariamente com a impossibilidade de continuar a fazer filmes. Foi desta impossibilidade que fiz “Vida Queima”: decidi filmar a minha própria impossibilidade de filmar, através duma docuficção, ou seja, introduzindo elementos de ficção num quotidiano que era o meu e o dos meus amigos, filhos que somos dum sonho de Europa de progresso social que as gerações antes de nós construíram e que nos é agora negado. É esta geração sacrificada de jeunes diplome precaire que eu desafio para fazer este filme, sob a forma misturada de ficção e documentário: filmo-os e filmo-me (sob a forma duma actriz que me representa) durante 2 meses. 

 

No início chamava-se “filme sem câmara” porque eu não tinha câmara. 

 

Depois de várias tentativas consegui através duma fundação dinheiro para comprar material para filmar ao propor-me fazer exactamente um retrato das pessoas que deste grupo eram encenadores de teatro - cena que vemos no filme. A montagem desse documentário no estúdio onde eu estava a montar, vemo-la também em “Vida Queima” sob a forma de montagem do próprio filme que estamos a ver, no final. 

 

No início deste filme, vemos Sara a escrever uma cena dum filme e ao mesmo tempo que escreve, a realidade ultrapassa-a e ela está nesse limbo entre a realidade e a ficção. É essa a história da origem deste filme.

 

O velho cinema em ruínas que vemos no filme é o cinema da minha infância, do “Porto da minha infância” (diferente do de Manoel de Oliveira). Eu ia todos os Sábados às sessões do cineclube onde me inscrevi quando tinha 5 anos e como fui obrigada a ir para o Porto ao passar diante do cinema vejo que o estão a destruir para o transformar num shopping. Decido entrar clandestinamente  com a actriz que me representa e a equipa (éramos 3) e filmamos imediatamente. Como ela teve que sair porque protagonizava uma espectáculo no teatro em frente, eu fiz nessa cena a docuficção completa: vesti a roupa dela ( que era o a minha) e continuamos a filmar. metade da cena é ela, metade sou eu, que comecei em 1999 a filmar em película, fiz 1 curta e 2 longas metragens e me confronto com a impossibilidade de o continuar a fazer.

 

Eu trabalhei durante 9 anos com um dos maiores produtores independentes europeus, um velho pirata do cinema de autor, que também ele afectado pela crise se tornou alguém com quem foi impossível continuar a colaborar. Esse processo está retratado no filme.

 

A mercearia onde Sara vai comprar para pagar o pão, o leite, a fruta, a os legumes e depois não tem dinheiro para pagar é o mini-mercado onde eu me via confrontada com a minha precariedade quando ia comprar comida e a dona da loja faz dela mesma: verifica se eu não levei uma migalha a mais do que aquilo que eu conseguia pagar.

 

A lista é interminável.

 

Não há cena neste filme que não seja puro docu-ficção.

Raquel Freire

 

Ajuda a financiar a finalizaçao deste filme

ajuda

 

Retirado de Vida Queima

Direitos de Autor


Todas as imagens que estão no blog foram retiradas do Facebook, muitas delas não tem referência ao autor ou à sua origem, se porventura acha que tem direitos sobre alguma e o conseguir provar, por favor avise-me que será retirada de imediato.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D