Segunda-feira, 10 de Outubro de 2016

Clara Dawn - Simplesmente, Adeus!

simplesmenteadeus.jpg

 

Simplesmente, Adeus!

 

Onde o fim se esconde, há um lugar diminuto e belo: ali a gente pode ouvir o chiado do sol quando ele mergulha no mar. É no afã parturiente dos momentos ruins que os aromas celestiais se revelam transfigurados das lembranças de bons dias… Eu tenho contemplado todas as coisas tão distantes… Num repente todos os caminhos, até mesmo uma senda, parecem-me longínquos demais. Foram os lugares que se afastaram ou foi o meu jeito de olhar que, de perspectiva, diminuí?

Voar até a lua não é difícil. Difícil, mesmo, é percorrer essas intermináveis estradas interiores. Mas não é o eixo longitudinal que determina o afastamento das coisas, tampouco é o silêncio da boca – é o estado d’alma. Porque para permanecer não precisa ficar perto, contudo é mensurável que esteja dentro.

Eu não gosto de ‘ficar’ – prefiro ir… Não temo mudanças – sou passageira aqui e, por isso, evito deixar marcas onde piso, pois quando a porta se fecha atrás de mim – ‘ficar’ é verbo inconjugável, ainda que permanecer não seja. Porque o amor e o encantamento por todas as coisas têm o poder de prolongar as distâncias, e nesse caminhar não há pressa. Simplesmente porque ‘ficar’ não é o mais importante, uma vez que se permanece. A satisfação está no ir, no voo… Um voo eterno, com ou sem destino, mas sem longas paradas…

 

Eu gosto desse chegar que não chega nunca, dessa distância que se faz perto quando há paixão e depois se esfarrapa em desculpas tantas. Porque é a distância das estrelas que faz com elas se revelem belas e luzidias… Uma estrela não pode ao menos ser contemplada – porque uma estrela nunca fica –, apenas permanece na luz do passado. Se há estrelas brilhando atualmente, só saberemos, dizem, daqui a uns cinquenta anos.

É verdade que o estado metamórfico das existências é algo que me fascina. Fascinam-me essas breves distâncias entre o nascer e o morrer. Mas o que me consterna diante disso é que essa breve distância caminha sempre de mãos dadas com profundos sentimentos de solidão. Oh, Cristo! Por quê? Meu eu poeta me diz que ainda que o corpo seja a casa do espírito, o espírito nunca se encontra em casa… Porque casa não é lar – e a gente nem sempre vive onde mora – e o espírito tem um lar e dele sente saudade. O lar do espírito é logo ali, onde a gente pode ouvir o chiado do sol quando ele mergulha no mar.

O homem tem receio, não da distância das coisas, mas dos terríveis hiatos que descalcificam o caminho que ele escolheu para seguir. Hiatos interrogatórios que, se não estão no percurso, estão correndo atrás de si. Há uma maneira risonha de se distanciar dessas coisas que correm atrás da gente – deixando-as onde estão – atrás. Mas o encargo real não é livrar-se das que correm atrás, é ter que se distanciar daquelas que correm dentro de nós para lá e para cá, em promíscua insalubridade: adoecendo a mente e oxidando o corpo. As distâncias em si não são ruins. Ruim é quando as distâncias estão perto demais.

 

Eu gosto de observar a vida com as minhas distâncias, como aquele que vai ao teatro para vislumbrar a todos no palco, e ele, plateia/só aplaude freneticamente o cenário, a peça, o contexto, o texto, o figurino, enfim – o desembrulhar das gentes. Porque se tenho que impor presença, isso já é distância que me vence. Meu espírito, coisa tola – começa a ficar cansado quando pensa que é preciso ter uma cor/berrante para estar no desenho da vida – eu sou toda ausência-de-cor- uma colcha de retalhos incolores – uma bolha de sabão que reflete a luz de um arco-íris preto e branco – assim permaneço distante das aparições sociais para que a minha existência não se desfaça simplesmente num adeus, mas como um Déjà Vu que não se tem a certeza de ter sonhado ou acontecido.

Texto de Clara Dawn – Publicado originalmente no jornal Diário de Manhã – DMRevista – Goiânia – Goiânia em 10 de junho de 2013.

 

Retirado de Portal Raizes


publicado por olhar para o mundo às 09:13
link do post | comentar | favorito

Direitos de Autor


Todas as imagens que estão no blog foram retiradas do Facebook, muitas delas não tem referência ao autor ou à sua origem, se porventura acha que tem direitos sobre alguma e o conseguir provar, por favor avise-me que será retirada de imediato.

.mais sobre mim

.pesquisar

 




Direitos de Autor


Todas as imagens que estão no blog foram retiradas do Facebook, muitas delas não tem referência ao autor ou à sua origem, se porventura acha que tem direitos sobre alguma e o conseguir provar, por favor avise-me que será retirada de imediato

.posts recentes

. Clara Dawn - Simplesmente...

.últ. comentários

se pode encontrar referencias como Carlos Malato o...
Que amor e gratidão tão sentidos.Um privilégio ler...
.....nevegar?
Estou cansado de ver esta frase no Facebook atribu...
Maomé matou numa semana uma tribo inteira de judeu...
Lamento mas o texto não é de Santo Agostinhohttp:/...
Ola Jorge,Muito grata por sua pronta resposta e po...
OláJá corrigi o post e atribuí o nome correcto na ...
Olá, quero deixar registrado aqui que esta frase d...
Um grande politico.Uma grande perda para Portugal.

.arquivos

. Outubro 2018

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

.tags

. imagem

. facebook

. frases

. pensamentos

. vídeo

. música

. lyrics

. letra

. vida

. textos

. amor

. humor

. anedota

. piada

. pessoas

. mulher

. imagens do facebook

. cartoon

. felicidade

. amar

. coração

. homem

. miguel esteves cardoso

. viver

. tempo

. mia couto

. mulheres

. imagens

. poesia

. mundo

. ser feliz

. crianças

. política

. fernando pessoa

. educação

. filhos

. poema

. sonhos

. aprender

. criança

. mãe

. animais

. palavras

. pensar

. liberdade

. medo

. natal

. respeito

. silêncio

. caminho

. amigos

. pensamento

. paz

. portugal

. dinheiro

. ser

. alma

. clarice lispector

. dor

. sorrir

. josé saramago

. mafalda

. mudar

. passado

. coragem

. recados

. amizade

. desistir

. escolhas

. beleza

. morte

. ricardo araújo pereira

. falar

. fazer

. feliz

. homens

. país

. pais

. coisas

. cultura

. povo

. religião

. sabedoria

. sentimentos

. verdade

. educar

. livros

. sorriso

. chuva

. ensinar

. problemas

. saudade

. acreditar

. olhar

. osho

. pessoa

. sentir

. abraço

. adopção

. chorar

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds